Os CIOs sempre se orgulharam de representar o avanço tecnológico nas empresas, a modernidade. No entanto, correm o risco de serem atropelados pelos novos tempos e pelas mudanças por que passam as corporações. Um estudo do Instituto Gartner com 2.800 CIOs de 84 países revelou um quadro de perplexidade entre os executivos. Para 75% deles, há necessidade de mudança no seu estilo de liderança. O prazo para a transformação? No máximo, três anos.

Mas que mudanças são essas? A digitalização dos negócios alterou profundamente a gestão das empresas. Antes, exigia-se do CIO apenas que incrementasse o desempenho da tecnologia. Hoje, isso não basta. A oportunidade digital se manifesta além de equipamentos, softwares e profissionais. O foco não se concentra mais na eficiência dos processos, mas na capacidade de o aparato tecnológico facilitar o desenvolvimento de modelos de negócios, produtos e serviços baseados em conceitos disruptiveis –  como cloud computing, bigdata, mobile, BOYD, social business, etc.

Impactos em TI

A digitalização tem impacto direto em todas as áreas da empresa. Porém em TI seus efeitos são ainda mais profundos. Processos, métodos e técnicas desenvolvidos pelos CIOs e suas equipes ao longo dos anos não dão conta das demandas dos negócios digitais.

Uma das principais limitações dos CIOs consiste em encarar a inovação apenas pelo prisma do avanço tecnológico, em uma visão típica de TI Legado. Esse tempo já passou. As corporações vivem a era da conversão das desvantagens em vantagens, da implementação de novas estratégias e abordagens na solução dos problemas.

As corporações não querem receber dos CIOs apenas relatórios sobre questões mensuráveis, tais como os custos de TI ou os avanços na implantação de uma rede. Desejam que as lideranças de TI apontem oportunidades de negócios, detectem chances de expansão de atuação e apresentem pensamento inovador.

Riscos 

O novo comportamento do CIO em uma empresa com legado digital pressupõe a visão holística da corporação, e não apenas a atuação focada em TI. O que está em jogo vai muito além da estrutura técnica ou operacional; é o negócio da empresa. Aspectos como marketing, planejamento estratégico, políticas de recrutamento e análises de mercado farão parte do cotidiano do CIO.

Talvez os executivos da área de TI se sintam ameaçados nesse quadro de tão profundas transformações. Entretanto devem entender que as oportunidades profissionais se ampliarão para aqueles que se reinventarem.

Em 2012, a IBM publicou um paper no qual alertava seus executivos para as mudanças que se anunciavam. O documento era direto: CIOS não são vistos como líderes da inovação. De acordo com o texto, a formação estritamente técnica e o conhecimento limitado do negócio impediam que a liderança de TI desenvolvesse visão estratégica.

O paper não se limitou a apontar o problema. Sugeria caminhos para que os executivos enfrentassem a nova realidade:

– deixar de apenas resolver problemas e se preocupar em analisar a origem deles;

– reposicionar o setor de TI como unidade de negócio, indo além dos aspectos meramente operacionais;

– iniciar imediatamente um processo de (re) formação profissional, fazendo cursos nas áreas de negócios, finanças, marketing, planejamento estratégico e gestão;

– entender que a inovação está em qualquer parte, e não apenas na tecnologia.

Quem ouviu o alerta da IBM feito em 2012 pôde se preparar para enfrentar a maré de mudanças no cenário de TI digital. A consultoria de headhunting Asap Recrutes elaborou um estudo sobre o mercado profissional em TI no Brasil. De acordo com a pesquisa, 30% dos CIOs com salário entre R$ 20 mil e R$ 40 mil foram substituídos em 2014.

Segundo a Asap Recrutes, parte considerável das dispensas se deu pela baixa entrega de projetos inovadores. Destaca-se que a inovação mencionada no estudo tem sentido amplo e diz respeito ao negócio da corporação.

Diante do quadro que se desenha, o CIO que mantiver o conceito de TI Legado tende a perder espaço rapidamente no mercado. As corporações, mais do que nunca, buscam o profissional que traga em seu DNA o conceito de TI Digital.