Cibercriminosos atuam em diversas linhas, por meio de diferentes tipos de ataques. Um dos mais comuns realizados, principalmente em servidores brasileiros, é o ataque DDoS (Distributed Denial of Service). Esta é uma das modalidades que mais crescem nos cibercrimes realizados no país.

Cada um desses tipos de ataque causa uma série de consequências graves para as empresas, principalmente prejuízos financeiros diretos e indiretos.

Em 2017, por exemplo, foram 264,9 mil ataques DDoS, tendo o maior deles atingido 641 Gbps. Assim, torna-se importante saber como funcionam essas ações e como se proteger delas.

Continue lendo e saiba o que é o ataque DDoS, quais os objetivos dos criminosos ao realizarem um ataque dessa natureza e, principalmente, o que deve ser feito para evitar maiores prejuízos.

O que é um ataque DDoS?

Compreendendo o nome, você já entenderá a essência desse tipo de ação. DDoS é a sigla para Distributed Denial of Service ou, em português, ataque distribuído de negação de serviço.

Basicamente, o ataque é uma investida realizada por hackers que visam, por meio de sobrecarga, inutilizar o servidor e, com isso, tirar o serviço do ar.

Como ele funciona?

Um ataque DDoS tem, como ferramenta principal, a sobrecarga de acessos para inutilizar o serviço.

Ou seja, um importante diferencial dele para outros tipos de ataques hackers é: ele não tem um caráter invasivo, ou seja, para sua realização não é necessária uma brecha de vulnerabilidade.

Devido a esse fato, as tentativas de ataque DDoS são altas, já que não é preciso muita expertise para tentá-lo, o que faz com que hackers iniciantes tenham a capacidade de realizá-lo também.

Além de sobrecarregar a largura de banda do servidor principal com alto índice de acessos, o ataque DDoS usa os recursos do servidor até que se esgotem e inviabilize o serviço.

Mais especificamente, são enviados vários pedidos de solicitações em diversos pontos da Internet, fazendo com o que o servidor não comporte a demanda e pare de funcionar.

Nessa situação, um computador central (master) comanda uma série de máquinas zumbis (zombies), normalmente centenas ou milhares de computadores.

O master aciona os zombies (computadores infectados e comandados pelo principal) para que todos acionem o mesmo comando, no mesmo dia e horário.

Assim, no momento determinado para o ataque DDoS, todas as máquinas direcionam seus esforços para acessar o servidor escolhido pelo cibercriminoso.

Como há um limite de banda, o alto número de acessos faz com que o sistema se sobrecarregue e, assim, há uma “negação de serviço”, impedindo o atendimento a novas requisições.

Aproveite e veja na prática como funciona um ataque DDoS em tempo real e entenda melhor como funciona nesse vídeo.

Qual o objetivo deste tipo de ataque?

Como no ataque DDoS não há uma invasão no sistema ou o aproveitamento de qualquer vulnerabilidade do servidor principal, fica claro que o objetivo prioritário é inutilizar o acesso ao serviço.

Parece inocente e, portanto, uma ação gerada por hackers iniciantes e sem objetivos escusos além de provocar prejuízos financeiros com a queda do serviço, não é mesmo?

Pois é, mas apenas parece. Há uma tendência cada vez mais forte de cibercriminosos aplicarem este tipo de ataque como uma espécie de distração para tirar o foco da segurança de TI.

Assim, enquanto os profissionais se ocupam em restabelecer o serviço que foi limitado, os criminosos aproveitam para direcionarem os esforços para invasões de sistema sem maiores problemas.

Consegue-se, assim, roubos de dados e invasões de sistema mais facilmente, sem a atenção dos responsáveis por segurança para evitar ataques secundários.

Portanto, é importante ter consciência de que um ataque DDoS não é algo inocente, sendo necessário se precaver e proteger deles para evitar consequências mais graves futuramente.

Como se proteger de um ataque DDoS?

Um ataque DDoS, além de expor à empresa a outros tipos de danos mais severos (fraudes e roubo de informações), também acarreta em outros problemas, tais como:

  • custos de recuperação de acesso;
  • diminuição de produtividade;
  • prejuízos com a inutilização do serviço;
  • má reputação com o público;
  • perda de oportunidades de vendas e de negócios, entre outros.

É essencial saber como proteger a organização dessa situação e evitar perdas e custos a longo prazo. Veja as principais práticas para potencializar a segurança e aplique-as imediatamente.

Invista em largura de banda

Se uma das principais causas da negação de serviço é a ocupação da banda, quanto mais investir em aumentar a largura da mesma, menores as chances dos hackers em derrubar o servidor.

Por isso, é imprescindível escalar a largura de banda, de forma a minimizar as chances de ter problemas com ataque DDoS.

Desta forma, também é possível prestar melhor suporte a solicitações de tráfego maiores, prevenindo problemas até mesmo em caso de aumento inesperado de acessos de forma orgânica.

Implemente uma conexão reserva

Uma opção para evitar a negação total de serviço é ter um conjunto separado de endereços de IPs e uma conexão reserva. Eles poderão ser acionados caso a conexão primária passe por problemas e instabilidades.

Treine suas equipes para identificar os ataques

Quanto mais facilmente os funcionários de TI conseguem identificar um ataque DDoS, mais agilmente conseguem resolver a situação, evitando danos maiores.

Assim, também são diminuídos os riscos de ser necessário direcionar todos os esforços para restabelecer o serviço e abrir brecha para ataques secundários de invasão.

Ensine-os a se familiarizar com análises de tráfego, de forma a identificarem de imediato as anomalias mais comuns, principalmente picos súbitos inesperados.

Contrate serviço de proteção contra DDoS

É imprescindível contar com serviços especializados e direcionados para a proteção dos dados da empresa e garantir o funcionamento dos servidores em caso de ataques.

Essas soluções conseguem identificar os primeiros indícios de uma ação hacker e colocar em prática todos os protocolos de segurança, reduzindo riscos e danos posteriores.

Suas equipes poderão se dedicar a continuar observando a situação e bloquear as ações maliciosas secundárias, que podem acarretar em fraudes e perdas de dados para hackers.

Também é essencial, portanto, além de saber como se proteger de ataques DDoS, garantir a segurança das informações da empresa.

Afinal, caso as medidas anteriores não funcionem e uma invasão ou um ataque ransomware ocorra, é necessário ter uma forma de recuperação de dados para não piorar os prejuízos gerados pelos cibercriminosos.

Diversas práticas podem ser adotadas pelas empresas a fim de prevenir invasões criminosas, como no caso do ataque DDoS.

You've successfully subscribed to Blog da Eco IT
Welcome back! You've successfully signed in.
Great! You've successfully signed up.
Your link has expired
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.